Introdução

INTRODUÇÃO

Assim como o evolucionismo, o criacionismo é uma teoria que tenta explicar a origem da vida e a evolução do homem. No entanto, é importante ressaltar que a teoria criacionista segue uma linha de pensamento distinta da teoria evolucionista.

O criacionismo se baseia na fé da criação divina, como narrado na Bíblia Sagrada, mais especificamente no livro de Gênesis na qual Deus criou todas as coisas, inclusive o homem. Lembrando que diversas culturas possuem sua versão própria do criacionismo, como é o caso da mitologia grega, da mitologia chinesa, cristianismo entre outras.

O evolucionismo se baseia em pesquisas cientificas, que surgiram com o experimento científico de Oparin-Haldane. Eles acreditavam que os gases existentes teriam formado as primeiras moléculas orgânicas e mais tarde os primeiros seres vivos. A experiência de Staley Miller acabou defendendo essa teoria, já que ele construiu um equipamento que imitava as condições da Terra naquela época e obteve a presença de aminoácidos no líquido formado.

Charles Darwin, com sua publicação “A origem das espécies” (1859), afirmava que o homem era resultado de uma longa evolução que começou com os hominídeos até o homo sapiens, o que corresponde as nossas características atuais.

Darwin sugeriu que o homem e o macaco teriam um mesmo ascendente em comum por conta das semelhanças biológicas, mas isso não significa que homem é um descendente do macaco. Ele sugeriu que todos os seres vivos tiveram um ancestral comum. Ele também desenvolveu a ideia da seleção natural, na qual apenas os seres vivos mais adaptados ao ambiente imposto poderiam sobreviver.

Vamos deixar um ponto claro aqui, tanto os criacionistas quanto para os evolucionistas, eles creem pela fé, inclusive os ditos ateus. A teoria da evolução só se pode crê por meio da fé, uma vez que não há comprovações científicas que comprovam a evolução nem ao menos se quer evidências para tal teoria. Sendo assim conclui-se que para alguém apoiar a doutrina evolucionista necessita de fé, já que todos os testes científicos falharam, ou seja, os evolucionistas e ateus precisam ter uma fé maior do que a dos cristãos e criacionistas.

Falaremos e mostraremos sobre os principais testes feitos pela ciência moderna, buscando resultado concernente a teoria evolucionista e todos os testes foram mal sucedido.

A verdade possui sintonia com a moderação e, seguramente, não se consegue defender uma verdade com ofensa ou sarcasmo. Por esse motivo, escrevo esse livro para esclarecer alguns pontos importantes sobre as críticas do evolucionismo e criacionismo.

Afirmo mais uma vez que o ateísmo é uma forma de fé porque a ciência prova que algo existe ou não. Basta consultar um livro de matemática, física e outras ciências que usam a lógica para aprender a respeito. Assim, se alguém afirmar cientificamente algo, deve provar. Se não submeter ao crivo da prova científica, é fé. Como ateus não provam que Deus não existe, afirmam por fé. Do contrário, no máximo poderão afirmar: “não sei se Deus existe”.

Preliminarmente sabemos que o mundo está em constante evolução. A altura média do homem hoje é maior do que há 100 anos atrás. Há evoluções geológicas decorrentes de erosões, movimentos sísmicos, e outras. Há também animais que se extinguem e várias outras formas de evolução, porém essa evolução é melhor retratada na terminologia adaptação. A linha do evolucionismo científico a qual não existem evidencias, provas, dados prováveis é a que afirma ou induz que o universo surgiu espontaneamente ou que afirma que o homem originou-se do macaco. Ou seja, uma espécie evoluiu para outra espécie. Isso é apenas fé pois cientificamente não há comprovações que isso exista.

Alguns ateus alegam que não há artigos científicos sobre o criacionismo. Acho que artigos desta natureza são dispensáveis. Os artigos científicos não costumam debater coisas óbvias. O que é aceito como pressuposto, premissa ou verdade universal dificilmente se torna objeto de polêmicas que mereçam grande concentração de esforço da pesquisa científica.

Achar, por exemplo, que estruturas complexas, funcionais, regidas por leis científicas modeláveis surgiram espontaneamente parece ser pouco razoável. Quanto mais complexas, mais difíceis são de serem criadas. Mais difíceis ainda de terem surgido espontaneamente.

Por exemplo, não vejo artigos científicos que confrontam posições de cientistas que queiram provar que um mais um não seja dois. Isso é uma premissa aceita e, se alguém quiser fazer uma demonstração diferente, esta pessoa precisará derrubar esta premissa.

Se levarmos para o lado prático, esta situação pode ser ilustrada pela seguinte situação: se astronautas encontrarem na lua uma casa construída de acordo com as normas de engenharia, um grupo de pessoas poderá pensar que alguém construiu a casa seguindo as referidas normas. Outras poderão achar que foi um processo evolutivo que permitiu o surgimento daquela casa, já que a lua não é habitada por seres humanos.

Quem acha que alguém construiu a casa, parte da premissa que pessoas estiveram lá. Quem acha que surgiu por processos evolutivos, tentará encontrar argumentos que justifiquem esta hipótese partindo de algumas premissas. Ambos entenderão que a casa teve etapas intermediárias de construção e provarão isso. As evidências mostrarão diversas etapas da “evolução” ou “construção” daquela casa. Se for um mecanismo mais complexo, será mais difícil ainda acreditar que teria surgido espontaneamente.

Se ninguém assistiu a construção não haverá testemunhas e o debate se estabelecerá. Neste caso, eu ficaria com os que acreditam que alguém esteve lá, pois não é comum casas com instalações elétricas e hidráulicas aparecerem construídas aqui na terra, muito menos na lua onde os materiais e condições físico-químicas são diferentes daqui. Se for um equipamento mais complexo, mais certeza ainda eu teria de que alguém projetou e construiu. Jamais vi algo na engenharia que me fizesse acreditar diferente.

Se eu fosse pesquisar o tema, investiria na linha de descobrir quem esteve lá, jamais na outra de achar que a construção surgiu espontaneamente.

Estudando, percebi que tanto na física clássica quanto na física quântica, no mundo macro e no mundo micro, há leis universais modeláveis. Há efeitos de alta complexidade que envolvem estruturas macroscópicas e microscópicas. Estudando química e física nuclear percebi que estruturas cristalinas microscópicas são complexas e bem construídas, com perfeição extraordinária.

Reações químicas e nucleares possuem perfeição e beleza digna de estudos, pesquisas e apreciação. Estas coisas todas teriam surgido espontaneamente? As leis que as regem teriam sido estabelecidas sem nenhuma interferência externa?  A sincronia e perfeição da natureza e do ser humano, tudo se organizou espontaneamente?

Acreditar no surgimento espontâneo do universo seria o mesmo que acreditar que ao explodir-se uma montanha, uma cidade poderia ser erguida, ou o mesmo que a explosão de um ferro velho poderia fazer surgir um carro novo, ou que a explosão de uma gráfica produziria vários livros impressos, encadernados e prontos para o uso.

A estrutura de uma cidade, de um carro e de um livro é bem mais simples que toda a estrutura do universo, tanto no aspecto micro, quanto no aspecto macro. Portanto, prefiro acreditar que há um criador.

Debater o universo afastando-se a hipótese de um criador é uma linha passível de escolha, mas é contraditória em si mesmo. Enquanto for inconclusiva, está sub judice, portanto, não merece a mesma credibilidade do que é comprovado cabalmente. Muito menos afeta argumentos contrários baseados em leis universalmente aceitas.

Há muitos artigos científicos que debatem a parte do evolucionismo que afasta a hipótese de um criador. Isso é fruto das várias linhas de pesquisas existentes. Podem ser honestas, mas certamente há equívocos. Se não houvesse, todos falariam as mesmas coisas e isso não é verdade. Quanto mais impreciso e difícil de provar, maior a necessidade de buscar mais argumentos para tentar evidenciar algo que contraria a lógica geral de várias leis e premissas científicas: matéria e energia não surgem do nada, senão várias leis científicas já teriam sido derrubadas, como a Lei de Lavoisier e os estudos de Einstein, Plank e outros.

Quanto ao homem ter vindo do macaco, é uma teoria sem evidências uma vez que os fosseis encontrados dos nossos “supostos” ancestrais foram comprovados a adulteração pela via do envelhecimento os ossos quimicamente, assim pegaram dentes de macacos para dar margem a ideia de uma evolução.

Nós mostraremos todos os fatos provas evidências de tudo aqui citado, com comprovações arqueológicas, científicas, documentadas etc…

 É provado que na ciência, as verdades de hoje, são as mentiras de amanhã, pois são descobertas as mentiras do desvario humano, todavia todas as verdades científicas das escrituras sagradas têm entre 2 mil à 6 mil anos, e nenhuma delas até hoje foi jogada por terra, porque quem criou todas as coisas criou também as leis.

Quer ver sobre botânica nas escrituras? 1 Coríntios 15:38 Mas Deus lhe dá um corpo, como determinou, e a cada espécie de semente dá seu corpo apropriado.

Quer ver sobre zoologia e genética? 1 Coríntios 15:39 Nem toda carne é a mesma: os homens têm uma espécie de carne, os animais têm outra, as aves outra, e os peixes outra. A Bíblia afirmou o código genético, esse código diz que: cada um produz segundo sua espécie. Zoologia e genética.

Jó 21:22 diz: acaso, alguém ensinará ciência a Deus, a Ele que julga os que estão nos céus?

1ª coríntios 2:16 Pois quem conheceu a mente do Senhor para que o passa instruir?

O objetivo desse livro, mostrar que a Bíblia está cientificamente mais correta do que a própria ciência humanística, pois Deus é o Deus da ciência